//Amostras de leite: conheça os principais erros na hora da coleta

Amostras de leite: conheça os principais erros na hora da coleta

Descubra quais os erros mais comuns da hora da coleta das amostras de leite e como evitá-los!

 

A coleta das amostras de leite é um processo fundamental na produção leiteira. Através dela são determinadas as bonificações ou penalizações por qualidade do leite, além de fornecer informações muito importantes sobre a situação sanitária do rebanho. Pensando nisso, elencamos os três principais erros cometidos na hora de coletar as amostras. Confira com a gente!

Leia também: Quais fatores influenciam no aumento das células somáticas (CCS) no leite?

 

1) Coleta superficial:

Antes de colher a amostra, o correto é ligar o sistema de agitação do tanque por 5 minutos. Em tanques maiores, acima de 5.700 litros, devemos aumentar esse tempo de agitação para 10 minutos ou de acordo com a recomendação do fabricante. Um dos principais erros de coleta de amostra é justamente colher uma amostra sem agitação correta previamente ou colher amostra da superfície, gerando uma amostra que não reflete a realidade do leite.

Quando os resultados mantêm uma média estável é provável que a coleta esteja sendo feita de forma correta. Por sua vez, resultados com muitas variações nos parâmetros podem ser sinal de que as amostras de leite estão sendo coletadas de forma incorreta.

 

2) Coleta individual diretamente dos tetos:

Por falta de correta orientação, é comum que algumas pessoas coletem as amostras individuais para a contagem de células somáticas (CCS) diretamente dos tetos das vacas, geralmente no início da ordenha. Esta prática é outro grande erro na coleta de amostras, pois a CCS no começo da ordenha pode ser até cinco vezes maior que no final. O correto é sempre coletar a amostra individual da ordenha completa de cada vaca.

 

3) Manipulação incorreta dos frascos:

Seja na coleta de amostras individuais ou no tanque, outro erro muito comum e determinante ocorre na manipulação dos frascos. O frasco só deve ser aberto no momento de exato da coleta da amostra e também devemos evitar o contato da tampa, principalmente o lado interno, com outras superfícies o máximo possível, inclusive a nossa pele. Isso impede que poeira, matéria orgânica ou qualquer outro resíduo contamine o interior do frasco ou da tampa. É comum que as pessoas retirem a tampa muito antes do momento da coleta, além de deixarem a tampa dos frascos no piso, no bolso ou na outra mão.

#dicabônus: o mesmo cuidado com os fracos se aplica para coleta de amostras individuais dos tetos com objetivo de realizar a cultura microbiológica, ou seja, descobrir qual microrganismo está causando mastite. Essa sim é uma amostra que deve ser coletada diretamente dos tetos das vacas. Não se esqueça do uso de luvas e de fazer a limpeza e assepsia dos tetos antes da coleta.

Saiba mais: Por que a higiene da ordenha é fundamental na prevenção da mastite?

E aí? Está tudo certo com a coleta de amostras na sua propriedade? Quer saber mais sobre o que pode influenciar na sua produção e na saúde e bem-estar dos seus animais? Então continue acompanhando a G3 Química pelas redes sociais para ficar por dentro de todas as novidades do setor leiteiro e também das dicas para otimizar a sua produção! Siga-nos no  facebook.com/G3Quimica e no Instagram @g3_produtos.

 

Você vai gostar de ler também:

Higiene da sala de ordenha: Boas práticas podem economizar até 30% de água. 

Doenças bovinas: conheça algumas das principais enfermidades que podem atingir o seu rebanho! 

Bem-estar animal: o que é fundamental para garantir conforto e maior produtividade? 

De |2019-08-19T17:20:24+00:00agosto 19th, 2019|Notícias|0 Comentários

About the Author:

Deixe um Comentário